sexta-feira, 19 de novembro de 2010

19 de Novembro, Dia Mundial do Xadrez

DIA MUNDIAL DO XADREZ

Como bom cubano, quero prestar homenagem neste dia a um dos ídolos do esporte cubano: José Raul Capablanca y Graupera (1988-1942), único sul-americano Campeão do Mundo, e em homenagem a ele hoje 19 de novembro comemora-se o “Dia Mundial do Xadrez”.

Capablanca já os quatro anos de idade aprendeu com o pai as regras do Xadrez, aos doze anos ganhou do campeão cubano Juan Corzo e aos 20 anos venceu o campeão dos Estados Unidos, Frank Marshall.

Em 1911, ainda quase desconhecido supreendeu o mundo do xadrez ao vencer o torneio de São Sebastião, Espanha, com seis vitórias, uma derrota e sete empates, superando Akiba Rubinstein, Carl Schlechter e Siegbert Tarrasch.

Em 1921 sagrou-se invicto Campeão do Mundo ao vencer o alemão Emanuel Lasker em Havana. Este feito de ganhar o título de campeão do mundo sem derrotas só tem paralelo na vitória de Vladimir Kramnik sobre Garry Kasparov.

Depois vieram outras vitórias em outros campeonatos e matches e conseguiu o feito de estar invicto durante oito anos consecutivos, de 1916 a 1923 inclusive, uma série de 63 jogos sem perder incluindo a vitória no campeonato do mundo. Já quase no final da sua carreira, na Olimpíada de xadrez de 1939, em Buenos Aires, conseguiu o melhor resultado para Cuba, vencendo Alekhine e Paul Keres.

Na tarde de 7 de março de 1942, no Clube de Xadrez de Manhattan, Capablanca subitamente sentiu uma severa dor de cabeça a ponto de perder a consciência. Foi levado às pressas ao hospital e na manhã seguinte, nos braços de sua mulher Olga, morreu de hemorragia cerebral… com honras de Estado e de herói nacional foi enterrado em Havana.

Em Cuba o xadrez é muito bem divulgado e é ensinado nas escolas, embora não tivemos mais jogadores com os resultados de Capablanca, mas sempre houve jogadores bastante fortes, como os GM Guillermo Garcia, Amador Rodríguez e Jesús Nogueiras, sendo alguns dos principais divulgadores de Cuba no mundo enxadrístico. Em 1966 foi celebrado em Havana o Congresso da Fide e a XVII Olimpíada Mundial de Xadrez, que converteu todo o país em um grande tabuleiro. Fidel assistiu a várias de suas rodadas, jogou uma partida histórica com o mexicano Terrazas e declarou que a sugestão de Capablanca de ensinar xadrez nas escolas é uma grande idéia. Desde 1962 se realiza o Torneio José Raul Capablanca in Memoriam, com numerosa participação estrangeira.

A partir de 1989 Cuba sofre uma segunda “Revolução xadrezistica”. O ensino do xadrez nas escolas primárias e a criação do Instituto Superior Latino-Americano de xadrez trouxeram uma massificação do jogo bem como o aumento do número de titulados neste país. Mais de 20 anos se passaram e Cuba tem mais de 200 titulados, alguns deles GMs. Leinier Dominguez (actual campeão do mundo de rápidas) e Lazaro Bruzon (campeão do mundo júnior em 2000 e campeão Pan-Americano em 2005) são os dois maiores “resultados” deste projecto de desenvolvimento do xadrez, mas se formos ao top 10 desse país vemos mais uns quantos jogadores da mesma geração.


"Nada é tão saudável como uma surra no momento oportuno. De poucas partidas ganhas tenho aprendido tanto, quanto da maioria das minhas derrotas". Capablanca.

Fontes: