terça-feira, 30 de agosto de 2011

Desqualificação de Dayron Robles nos 110 m com barreiras provoca polêmicas até hoje

Instantes de um dos "toques" entre o atleta cubano e chinês

A desqualificação de Dayron Robles nos 110 m com barreiras do Campeonato Mundial de Atletismo, realizado em Daegu, Coréia do Sul, provoca polêmicas até hoje e ficará na história da modalidade por muito tempo.

Antes de conhecer que tinha sido desqualificado, Robles afirmou que os “toques são coisa comum nas corridas com barreiras".


“É algo que pode acontecer nas corridas com barreiras porque vamos muito juntos'', apontou o atual campeão olímpico.

Liu declarou que não acredita que Robles teve a intenção de atrapalhar a sua corrida, pois trata-se de uma competição de muito contacto em raias muito ajustadas.

“Lamento muito o acontecido, assim é a competição e além do mais somos muito bons amigos'', disse Liu.

Após a desqualificação de Robles, o atleta americano Richardson foi declarado vencedor. “É algo agridoce. Por nada do mundo queria que alguém tão talentoso como Robles seja desqualificado'', indicou Richardson.

Foi um desenlace “novelesco” para uma corrida de luxo ao juntar pela primeira vez na final dos 110 m com barreiras, atletas como Dayron Robles, Liu e David Oliver, os três homens mais rápidos da história na prova.

Oliver ficou na quarta colocação e no Twitter opinou que o resultado inicial não devia ter sido modificado: Isso acontece em cada corrida com barreias, aconteceu comigo na semifinal... que falta de sorte''.

Li muitos comentários, uns defendendo o atleta cubano, outros o crucificando, e também vi o vídeo no youtube e em outros sites que mostram diferentes ângulos e instantes da corrida. Sou professor de atletismo, treinador e também árbitro da modalidade. Analisando os vídeos, descarto a possibilidade de Robles tentar dar um “toque” em Liu, pois desde a partida Robles faz o mesmo movimento com os braços que são típicos da técnica individual que utiliza. Por sua vez ambos os atletas tropeçam em várias barreiras antes do “toque” o que pode ter desequilibrado ambos os atletas, inclusive o atleta chinês também toca no atleta cubano. Como técnico de atletismo, como treinador da modalidade e como árbitro não vi a intencionalidade do movimento do atleta cubano.

Veja os vídeos nos seguintes links:

Nenhum comentário:

Postar um comentário