quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Atletas do Tocantins disputam pela 20ª vez a São Silvestre


Lindomar Elias exibe o kit da São Silvestre, na qual correrá com o número 6381

Em sua 20ª participação de atletas tocantinenses na São Silvestre, pelo segundo ano consecutivo o principal atleta do Estado, Eliésio Miranda não correrá a prova, que acontece nesta quarta-feira, às 8 horas, em sua 90ª edição. A largada e chegada acontece na Avenida Paulista.

Este ano o Tocantins contará com 31 atletas. Miranda alegou que não conseguiu passagem de avião e, em razão disso não quis disputar a prova, que tem o melhor tempo registrado dos atletas do Estado em todas as participações. Em 2008 ele chegou em 21º lugar e registrou o tempo de 47m28s.

Outro atleta tocantinense de ponta que também está fora da São Silvestre - é o atleta Antônio da Silva. Segundo ele, teve problemas no quadril.

No ano passado o melhor classificado foi o atleta Benones dos Santos Soares, que cravou o tempo de 52m51s, na 81º colocação. Já no feminino, Ilza Ana Barboza Ferreira terminou a corrida com 1h13m10s e se classificou na 96ª colocação.

Dificuldades
Com muitas dificuldades, a delegação tocantinense viajou no último sábado com 30 atletas de micro-ônibus chegando no domingo no horário do almoço, em São Paulo, após percorrer 1.776 km entre Palmas e São Paulo. Os atletas tiveram que pagar cada um R$ 100,00 para ajudar a custear a viagem. A Secretaria Estadual do Esporte cedeu o veículo e, segundo o secretário do Esporte, Rodolfo Botelho, a secretaria além de ceder o micro-ônibus ajudou a custear a metade das diárias dos dois motoristas que levaram a delegação. Anteriormente a informação era que a secretaria havia fornecido apenas o veículo.

As apostas este ano ficam por conta dos atletas Athila Cavalcante Teles e Benones dos Santos Soares, que foram de micro. E também o corredor Lidomar Elias, que é funcionário do Grupo Jaime Câmara (GJC), viajou por conta própria de avião para a disputa da corrida.

São Silvestre
A cada ano aumenta a sofreguidão dos atletas locais, imbuídos da ingrata missão de dar ao Brasil uma vitória na São Silvestre, nesta quarta-feira, a partir das 7h40 (mulheres) e 8 horas (homens). Desde 2010, quando Marilson Gomes dos Santos venceu, os corredores africanos dominam a prova. Na disputa feminina, o jejum brasileiro é ainda mais longo. A última vitória de uma corredora do país foi em 2006.

Novamente as maiores apostas do Brasil no masculino recaem sobre Giovani dos Santos. Já com cabelos brancos aos 33 anos de idade, o mineiro de Natércia nunca foi além da quarta colocação. Nos últimos três anos, ele tem chegado credenciado pela vitória na Volta da Pampulha, mas os resultados na corrida de Belo Horizonte não têm funcionado como referência de fato na São Silvestre, que tem nível mais elevado.