terça-feira, 9 de agosto de 2016

Rafaela desabafa: "O macaco que tinha que estar na jaula hoje é campeão"

Bruno Doro
Do UOL, no Rio de Janeiro


A judoca Rafaela Silva conquistou nesta segunda-feira (8) o primeiro ouro do Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Chorando muito após a vitória na categoria dos leves (até 57kg), a brasileira desabafou assim que saiu do tatame.
Em 2012, a brasileira viveu um pesadelo após ser eliminada dos Jogos Olímpicos de Londres. Ela aplicou um golpe proibido na húngara Hedvig Karakas e foi eliminada. Saiu chorando muito e admitiu que errou, mas foi perseguida nas redes sociais.
"Que vexame. Não te ensinaram a jogar limpo? Mais uma que foi (a Londres) para fazer o Brasil passar vergonha", escreveu um crítico. Ela se irritou, rebateu, e a história virou uma grande polêmica. Agora, quatro anos depois de todo o sofrimento, a brasileira volta a comprovar que tem muita fibra. “Depois da minha derrota em Londres, eu ia largar o judô. Comecei a fazer um trabalho com a minha psicóloga, e ela não me deixou abandonar o judô. Meu técnico também me ajudou muito", lembra Rafaela.
Mais tarde, em entrevista à Rede Globo nesta segunda-feira, Rafaela relembrou as pesadas ofensas racistas das quais foi alvo no Twitter. "Já passou, tem quatro anos. Eu só posso falar: o macaco que tinha que estar na jaula em Londres hoje é campeão olímpico em casa. Hoje eu não sou a vergonha para a minha família", declarou a brasileira, relembrando a preocupação com o reencontro diante de Karakas - a húngara foi sua rival nas quartas de final em 2016.
"Eu tinha visto a chave. Eu esperava que ela fosse passar na chave e que a gente se cruzaria; eu só pensava que não queria sentir aquela sensação de novo", disse, relembrando a derrota para a adversária na segunda rodada em 2012.
Carioca da gema, Rafaela saiu da periferia para crescer no esporte até conquistar a primeira medalha dourada do Brasil na Rio-2016. “É muito bom para as crianças que estiverem agora assistindo o judô. Se eu pude ajudá-las com esse resultado. Mostrar que uma criança que começou no judô por brincadeira hoje é campeã mundial e campeã olímpica. É inexplicável. Se elas tiverem um sonho, têm que acreditar, porque ele pode se realizar”, completa.

Crescimento no ciclo olímpico



Toru Hanai/Reuters
imagem: Toru Hanai/Reuters















Entre 2014 e 2015 a brasileira não teve grandes resultados no circuito internacional de judô, mas entrou na Rio-2016 atropelando as adversárias. “Em 2014 fiquei em quinto (no Mundial), estava meio desacreditada, e disseram que eu era uma incógnita porque eu estava perdendo para atletas para as quais eu nunca tinha perdido”, lembra Rafaela.
“Mas agora treinei tudo que podia nesses dois anos, e o resultado veio por meio do meu treinamento”, comemora a campeã olímpica.

Torcida faz a diferença



Markus Schreiber/AP
imagem: Markus Schreiber/AP

Rafaela Silva agradece o apoio recebido na Arena Carioca e diz que os torcedores “com certeza” fizeram a diferença para seu triunfo na categoria dos leves. “O ginásio chegava a tremer”, afirma a judoca. “Eu via as adversárias sentirem a pressão e não podia decepcionar todas essas pessoas que vieram até aqui torcer por mim”, completa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário