terça-feira, 10 de maio de 2016

Ministro crê que o Tocantins colherá frutos no futuro com pista de atletismo

Ricardo Leyser aposta que atletas do Estado no máximo de 10 anos estarão representando o Brasil nas competições internacionais
Reinaldo de Jesus Cisterna
Pista foi inaugurada

Com o impacto da entrega de uma pista nos padrões internacionais e com possibilidades de realizar provas de Olimpíadas e Mundial, o Tocantins deverá ter algum atleta representando o Brasil em competições internacionais, no máximo de oito a dez anos. Este é pensamento do ministro do Esporte, Ricardo Leyser, que esteve em Palmas, ontem participando da inauguração da pista de atletismo, agora chamada de Centro Olímpico Heróis do Araguaia.
“No meu entendimento, isso será possível graças ao planejamento e atenção dada pelo governo federal de descentralizar o esporte no País. Antigamente a gente só via atletas das regiões Sul e Sudeste representando o Brasil nas competições internacionais. Hoje já são 200 milhões de brasileiros que terão as mesmas condições de representar o Brasil", destacou o ministro.  Segundo ele, no futuro mudará mais ainda, já que a intenção do governo federal é construir uma pista de atletismo deste nível em todas as capitais do país.
Após o descerramento da placa, as autoridades foram para pista acompanhar algumas apresentações dos atletas em provas dos 100 metros rasos, além dos atletas paralímpicos.
    
Estiveram presentes prestigiando  e evento o medalhista olímpico de bronze nos 200 metros rasos, em Seul, 1988, e no revezamento 4x100 metros, em Atlanta 1996, o velocista Robson Caetano, o reitor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Márcio Antônio da Silveira, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, o deputado federal, Cesar Halun, o vice-presidente da Confederação Brasileira de Atletismo, Warlindo Carneiro, o secretário Estadual da Educação, Juventude e  Esporte, Adão Francisco e várias autoridades estaduais e municipais, além muitos de atletas e atletas paralímpicos.


















Instrutor mostra mudanças na regra

Reinaldo Cisterna

Instrutor Fifa e CBF, Milton Otaviano, fala das regras.

O jogador que der a saída de bola no círculo central não terá mais que tocar necessariamente para frente, agora com a liberdade para dar o pontapé inicial para qualquer lado. Os árbitros poderão expulsar jogadores que brigarem antes do jogo, seja no campo ou mesmo no túnel de acesso dos vestiários. Essas duas e muitas outras alterações na regras do futebol estão sendo debatidas, em Palmas de ontem até o final da tarde de hoje, no Comando Geral do Quartel de Palmas, pelo ex-árbitro assistente Fifa/CBF, Milton Otaviano. Ele comentou sobre as mudanças ontem durante o programa CBN Tocantins Esportes, acompanhando e o presidente da Comissão Estadual de Arbitragem da FTF, Adriano de Carvalho.

Mudanças

Outra alteração importante comentada é que um atleta que se contundir após sofrer falta de um jogador punido com cartão (amarelo ou vermelho) poderá ser atendido no gramado para não deixar o seu time com um homem a menos em campo. “Assim que ele for atendido poderá até bater a falta, caso ele seja o cara encarregado no time para esse tipo de infração”, comentou o instrutor. Essas novas regras serão implementadas a partir de primeiro de junho deste ano. Mas Otaviano, explica que como o Brasileirão das Séries A e B terão início neste final de semana, a CBF entendeu que seria importante iniciar as mudanças desde o início do campeonato e não lá pela quarta ou quinta rodada.

Pênalti

Outra mudança diz respeito aos pênaltis. Se um determinado jogador tentar enganar o goleiro ao cobrá-la com paradinha, ele perderá o direito de bater novamente.Há ainda outros dois itens que serão testados: o fim da punição tripla, que resulta em pênalti, cartão vermelho e suspensão quando um jogador evita um gol claro (nesse caso não seja uma jogada violenta, o jogador receberá apenas o amarelo).