quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Educação apóia participação de profissionais tocantinenses em curso de arbitragem


Alcione Luz / Governo do Tocantins.


Qualificação é fundamental para atuação dos profissionais de arbitragem  - Foto: Washington Luiz

Para incentivar os árbitros do Tocantins a investirem na formação profissional, o Governo do Estado do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), apóia a participação de diversos profissionais tocantinenses no Curso de Arbitragem de Soccer Society, a realizar-se em Araguaína-TO, de 5 a 7 deste mês.
São esperadas cerca de 100 pessoas, boa parte profissionais com experiência em competições escolares, a exemplo dos Jogos Estudantis do Tocantins (Jet’s).

A Seduc vai conceder apoio no deslocamento dos árbitros até o município-sede do evento, disponibilidade do local para a realização do curso e o alojamento dos
participantes, no Colégio Estadual Guilherme Dourado. “Estudo e aperfeiçoamento contínuos são fundamentais para formação.

Com essa iniciativa, nossos profissionais terão a oportunidade de agregar novos conhecimentos e valores”, destacou o superintendente de Esportes da Seduc, Salim Milhomem.

Curso
O curso será ministrado pelo professor Milton Matani, criador das regras oficiais de futebol society, presidente da Federação Internacional de Futebol 7 Society (FIFO7) e vice-presidente da Confederação Brasileira de Soccer Society. O evento é indicado para árbitros que pretendem reciclar seus conhecimentos, profissionais de educação física, acadêmicos, jornalistas, comentaristas esportivos, além pessoas que queiram entender mais sobre as regras do soccer society, obtendo uma carga horária de 20 horas.

Rosângela e Ana priorizam revezamento e desistem dos 200 m

Mesmo inscritas na prova, as duas serão poupadas pela comissão técnica do atletismo do Brasil, que aposta tudo nas chances de medalha no revezamento 4 x 100 m 


Principais nomes das provas de velocidade do atletismo feminino do Brasil, Rosângela Santos e Ana Cláudia Lemos serão poupadas da prova dos 200 m na Olimpíada Rio-2016, cuja eliminatória está prevista para acontecer no próximo dia 15. Mesmo inscritas tanto na lista do COB (Comitê Olímpico do Brasil) quanto do sistema oficial de informação dos Jogos, as duas não deverão participar. O motivo é deixá-las em condições físicas ideais para o revezamento 4 x 100 m, que terá a rodada eliminatória acontecendo três dias depois.

"Resolvemos tirar as duas dos 200 m, pois entendemos que eles precisam estar descansadas para correr o revezamento, que é uma de nossas grandes esperanças de medalha. Só deverão correr a Kauiza Venâncio e a Vitória Rosa", afirmou Katsuhiko Nakaya, um dos treinadores da equipe feminina. 

Ana Claudia Lemos, que ficou afastada desde o início do ano por causa de suspensão de doping e foi liberada definitivamente esta semana pela Iaaf (Associação das Federações Internacionais de Atletismo) tinha se qualificado para os 200 m com o tempo de 23s08, obtido em maio do ano passado em São Bernardo do Campo (SP). Já Rosângela Santos teve como marca qualificatória 22s77, obtida em Birmingham (ING), também em 2015. 

As duas atletas que serão escaladas para correr os 200 m possuem tempos inferiores. Kauzia Venâncio obteve seu índice somente no Troféu Brasil, realizado no último mês de junho, quando marcou 22s93. A marca de Vitória Rosa é ainda pior - 23s11, que obteve ainda em 2015. 


Comissão técnica do Brasil não irá escalar Rosângela Santos para a prova dos 200 m, no dia 15 (Foto: divulgação) - Foto: LANCE!


Ana Cláudia Lemos (Foto: Ivan Storti/Lancepress!)

LANCE!

Federação de judô libera russos para Olimpíada do Rio


Atual campeão olímpico na categoria até 100kg, Tagir Khaibulaev, está na lista junto com os outros 10 atletas da seleção russa



A Federação Internacional de Judô (IFJ, na sigla em inglês) divulgou, nesta quinta (4), comunicado oficial, liberando os 11 atletas da seleção de judô da Rússia para disputar os Jogos Olímpicos. Com a notícia, o atual campeão olímpico da categoria até 100kg, Tagir Khaibulaev, subirá ao dojo no Rio para defender sua medalha de ouro. Outro destaque fica por conta de Khasan Khalmurzaev, atual campeão europeu da categoria até 81kg. 


Segundo a entidade responsável pelo esporte, os judocas russos foram testados diversas vezes no período que antecedeu as Olimpíadas e sempre se apresentaram "limpos". 



Confira abaixo a lista dos atletas liberados, nesta quinta, pela IFJ: 



Judô Feminino: 
Irina Dolgova (48 kg) 
Natalia Kuziutina (52 kg) 
Ekaterina Valkova (63 kg) 
Ksenia Chibisova (+78 kg) 



Judô Masculino: 
Beslan Mudranov (60kg) 
Mikhail Puliaev (66kg) 
Denis Iartcev (73kg) 
Khasan Khalmurzaev (81kg) 
Kirill Denisov (90kg) 
Tagir Khaibulaev (100kg) 
Renat Saidov (+100kg)


Campeão Olímpico Tagir Khaibulaev
Foto: LANCE!

Gabriel Jesus no Manchester City 'foi um bom negócio para todos'


Editores do LANCE! veem transferência do atacante do Palmeiras para o time inglês de forma positiva e acreditam no triunfo do jogador na Inglaterra sob o comando de Guardiola


Nesta semana, o Palmeiras aceitou a proposta de 32 milhões de euros, cerca de R$ 117 milhões, do Manchester City (ING) por Gabriel Jesus. Trata-se da maior venda da história do clube em números absolutos. Após a disputa do Campeonato Brasileiro, o atacante se juntará a Pep Guardiola e defenderá os citizens até o fim da temporada 2020/21. 


Diante deste cenário, editores do LANCE! analisaram a contratação do atual camisa 33 do Verdão pelo clube inglês. Confira: 

MÁRCIO ALENCAR - Editor do LANCE! 

"O Manchester City com Guardiola ainda é uma incógnita. O treinador só dirigiu gigantes europeus até agora e terá sua maior prova de fogo no clube inglês. Gabriel Jesus apostou em sua escolha, poderia ter assinado com algum outro clube de maior expressão, mas o peso do pedido e conversa de Pep foram fundamentais.

Reforço do Manchester City, Gabriel Jesus fala em coletiva antes de jogo da Seleção Olímpica (Foto: Lucas Figueiredo / MoWA Press)

Reforço do Manchester City, Gabriel Jesus fala em coletiva antes de jogo da Seleção Olímpica (Foto: Lucas Figueiredo / MoWA Press)
Foto: LANCE!

A Liga Inglesa é uma das melhores do mundo tecnicamente, e Jesus pode sim aprender muito com o rápido sistema jogado na terra da Rainha. Mas o que mais pode desenvolver seu futebol na Europa é sem dúvida Pep Guardiola. O Manchester City ainda é o clube rico que busca seu lugar entre os grandes. O técnico espanhol e o jovem talento brasileiro podem ser peças fundamentais para que isso ocorra. No fim, foi um bom negócio para todos, Palmeiras, City, Guardiola e Gabriel Jesus." 

RAFAEL BULLARA - Editor do LANCE! 

"Jogar na principal liga do mundo e ser treinado por um dos melhores técnicos são fatores que certamente pesaram na decisão. Gabriel vai evoluir bastante nas mãos de Guardiola e fez a escolha certa entre os clubes que mostraram interesse em seu futebol."

Estrellas de tierra y agua

Michael Phelps y Usain Bolt centran la afición del público y la prensa












RIO DE JANEIRO.— Entre las muchas luminarias del deporte que coinciden aquí para la cita olímpica, dos de ellas —una sobre la tierra y la otra en el agua— se centra la atracción del público y los medios de prensa. Hablamos del nadador estadounidense Michael Phelps y del bólido jamaicano Usain Bolt.
Por primera vez en su talentosa carrera deportiva, Phelps, el Tiburón de Baltimore, será el abanderado de Estados Unidos en el desfile inaugural de las delegaciones, señalado para la noche de este viernes en el histórico estadio Maracaná. Los estadounidenses presentarán 556 exponentes, la representación más numerosa de la lid.
El astro de las albercas declaró semanas antes de partir hacia acá que, en los últimos diez años, nunca le había resultado tan difícil hacer el grado para incluirse en la comitiva, de ahí que dijo sentirse honrado por representar a Estados Unidos y portar la bandera.
Comenzó a nadar por casualidad a los siete años, pues no le gustaba el agua, pero halló en la piscina de su casa la manera de emplear el tiempo, sin imaginar que hoy se prepararía para su quinta incursión en unos Juegos Olímpicos, avalado por 18 medallas de oro, dos de plata e igual cantidad de bronce, entre ellas las ocho doradas de Beijing 2008, cuando superó las siete para una edición capturadas por el ídolo Mark Spitz, en Munich’72.
Phelps anunció que en esta oportunidad nadará en los 100 y 200 metros mariposa y los 200 combinados.
BOLT, DESDE QUE ENTRAS AL AEROPUERTO
Una secuencia de fotos murales del astro de la velocidad, el jamaicano Usain Bolt, ilustran las paredes del corredor del aeropuerto internacional de esta ciudad, cada una con los tiempos signados por el astro para escribir su historia en diferentes competencias sobre las pistas.
Desde el pasado 27 de julio llegó a Río, procedente de Londres, donde triunfó en los 200 metros de la Liga de Diamante, y si en una oportunidad lo han visto en público fue en ocasión de invitar a un nutrido grupo de niños de las favelas a compartir junto a él en la pista de entrenamiento.
Este miércoles 3 de agosto era esperado Bolt y el resto de sus compañeros en la Villa Olímpica, para cubrir la parte decisiva de su preparación. El bólido ha ratificado que estará en el bloque de arrancada en próximo 13 de agosto para defender su título en los 100 metros lisos, tres días después reaparecerá para intentar lo mismo en los 200, y concluirá el día 18 con el relevo 4X100, tres salidas en las que pretenderá ratificar que para él no hay nada oculto entre cielo y tierra, como lo expresa su record del orbe de 9,58 segundos, estampado en oro durante el Mundial de Berlín’09.

JUEGOS OLÍMPICOS

La fiesta ya empezó

Suecia se llevó la victoria en el primer partido de los Juegos Olímpicos Foto: Sitio de los juegos
Apenas horas nos separan para que los Juegos Olímpicos de Río de Janeiro 2016 queden oficialmente inaugurados, sin embargo, desde este miércoles se iniciaron las competencias con el deporte que es una religión para el pueblo brasileño: el fútbol.
Pero no fue la canarinha la encargada de abrir el certamen futbolístico, ese privilegio quedó reservado para los equipos femeninos de Suecia y Sudáfrica, compromiso saldado con victoria de 1-0 en favor de las europeas, gracias al gol de Nilla Fischer a los 75 minutos.
Posteriormente hizo su debut en el mítico estadio de Maracaná el anfitrión Brasil, quien no tuvo problema para superar a China por 3-0, al contar con los goles de Mónica 36´, Andressa Alves 59´ y Cristiane 90´. Así, brasileñas y suecas marchan con tres unidades en el Grupo E, en tanto chinas y sudafricanas permanecen sin puntos.
Para la fecha se programaron un total de seis juegos, todos en la lid para damas, en la que Canadá doblegó 2-0 a Australia, al disponer con los tantos de Janine Beckie y Christine Sinclair, en match del Grupo F, acontecido en la Arena Corinthians, de Sao Paulo.
Por su parte la primera gran goleada de la cita estival la propinaron las alemanas al imponerse 6-1 a Zimbabwe, aprovechando la efectividad de Sara Daebritz 22', Alexandra Popp 36', Melanie Behringer (2) 53´ y 78´, Melanie Leupolz 83´ y Eunice Chibanda 90' en propia puerta. La honrilla por las africanas la firmó Kudakwashe Basoco al minuto 50.
En horas de la noche se esperaban los enfrentamientos entre el favorito once de Estados Unidos versus Nueva Zelanda y el duelo que enrolaba a Francia contra Colombia.

La pelota regresa al programa olímpico

La directiva del COI lo que tiene previsto para la lid nipona en este retorno de las bolas y los strikes, es un certamen de solo seis equipos, que no podrían pasar de 24 peloteros

Rio de Janeiro. - A la noticia difundida de que nuevamente Cuba jugará en uno de los dos grupos asiáticos en el IV Clásico Mundial, puede esperarse una mejor, pues el Comité Olímpico Internacional, en Asamblea General, estaría readmitiendo a la pelota en los Juegos bajo los cinco aros para un retorno que se fijaría en la próxima edición japonesa, en el 2020.
Lo que está previsto este miércoles en la urbe carioca se ha dado a conocer como una de las revoluciones más grandes dentro del programa de los Juegos, pues se habla de introducir al surf, karate, la escalada,el skateboarding y softbol femenino.
Tal movimiento dejaría pequeña la modificación para la justa que se inicia este viernes que devolvió al golf, presente en 1900 y 1904, y al rugby, que colmó graderíos en 1900, 1908, 1920 y 1924.
Como se sabe el beisbol tuvo campeones en 1992, 1996, 2000, 2004 y 2008, con Cuba ganando los dos primeros y el cuarto, quedándose en segundo en los otros dos. La directiva del COI lo que tiene previsto para la lid nipona en este retorno de las bolas y los strikes, es un certamen de solo seis equipos, que no podrían pasar de 24 peloteros, por lo cual la cifra total seria de 144. Eso mismo tiene pensado hacer con el softbol (estuvo de 1996 hasta el 2008) de mujeres, pero con solo 15 integrantes

Seis pedras no caminho do futebol masculino do Brasil no Rio 2016

POR RIO 2016
Alemanha, Argentina, Colômbia, México, Nigéria e República da Coreia prometem dificultar a vida da seleção brasileira na busca pelo ouro inédito
Ataque formado por Neymar e Gabriel é uma das armas do Brasil na luta pelo inédito ouro Olímpico (Foto: Getty Images/Kenji Watanabe)
“Só penso na dourada”. A frase dita pelo capitão Neymar resume perfeitamente o sentimento do torcedor brasileiro em relação ao torneio masculino de futebol dos Jogos Rio 2016. Única grande conquista do esporte que ainda falta para o país anfitrião dos Jogos Olímpicos, o ouro é uma obsessão para jogadores e fãs da seleção. E o primeiro passo para dar fim a esse jejum pode ser dado nesta quinta (4), dia da abertura da competição, quando o Brasil enfrenta a África do Sul, às 16h, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF).
A seleção brasileira chega forte na expectativa de dar fim à espera pelo ouro. O grupo convocado pelo técnico Rogério Micale tem muito talento, especialmente no trio ofensivo, formado por Neymar, Gabriel Jesus e Gabriel ‘Gabigol’ Barbosa. Na defesa, Marquinhos, há quatro anos no futebol europeu, é garantia de segurança. Junte isso ao apoio incondicional do torcedor e a seleção brasileira parece forte candidata ao topo do pódio.
Mas, em um dos torneios Olímpicos mais fortes da história, as ameaças aos planos brasileiros vêm de todos os lados do mundo. Alemanha, Argentina, Colômbia, México e Nigéria, por exemplo, são adversários de lembranças amargas para os brasileiros. Colômbia e República da Coreia também se credenciam como concorrentes a medalhas.
Na lista abaixo, o Rio2016.com indica as principais qualidades dessas equipes para você não perder nenhum lance do torneio Olímpico de futebol: 

Alemanha

Alemanha volta ao Brasil, onde venceu a Copa do Mundo há pouco mais de dois anos, disposta a fazer a festa novamente no Maracanã. Conhecida pelo fortíssimo trabalho de renovação, tem no zagueiroMatthias Ginter, de 22 anos, um dos expoentes de sua nova geração. Apesar da pouca idade, o defensor do Borussia Dortmund esteve no elenco campeão do mundo em 2014 e dará consistência à equipe comandada pelo técnico Horst Hrubesch. O volante Lars Bender, que estava na pré-lista da Copa de 2014 e foi cortado por lesão, forma o trio mais experiente do grupo ao lado de seu irmão gêmeo Sven, zagueiro, e do atacante Nils Petersen.
Matthias Ginter fez parte do elenco campeão do mundo em 2014 (Foto: Getty Images/Matthias Hangst)

Argentina

Depois de conquistar dois ouros consecutivos nos Jogos, em Atenas 2004 e Pequim 2008, na segunda ocasião com vitória sobre o Brasil na semifinal, a Argentina ficou fora em Londres 2012. A equipe sul-americana vem ao Rio 2016 querendo impedir o inédito ouro dos anfitriões e deve contar com apoio maciço de sua apaixonada torcida, como aconteceu na Copa do Mundo de 2014. A chave do sucesso do time dirigido pelo técnico Julio Olarticoechea é a força de sua linha ofensiva, que conta com o veloz Ángel Correa, do Atlético de Madri, da Espanha, e com Giovanni Simeone, filho do ex-volante Diego Simeone. Capitão da equipe, o zagueiro Víctor Cuesta, que esteve no elenco da Copa América de 2016, é a referência do sistema defensivo.
"Posso sonhar? Seria bom chegar à final contra o Brasil. Às vezes os sonhos são realizados", vislumbra o treinador.
Torcida argentina invadiu o Rio durante a Copa do Mundo (Foto: Getty Images/Gabriel Rossi)

México

México é o atual campeão Olímpico e tem como meta manter o título conquistado em Londres 2012. O time conta novamente com o principal nome da conquista na capital inglesa, o atacante Oribe Peralta, de 32 anos, que marcou quatro gols no torneio, incluindo os dois na final, contra o Brasil. O goleiro Alfredo Talavera e o lateral Jorge Torres Nilo são os outros jogadores do elenco mexicano com experiência em Copas do Mundo.
“Não temos medo de sermos colocados entre os favoritos. Desde o começo da preparação, inserimos nos jogadores o senso de responsabilidade que precisamos ter por sermos os atuais campeões”, conta o técnico Raul Gutierrez.
Herói do ouro em Londres, Oribe Peralta é esperança de gols (Foto: Getty Images/Kevork Djansezian)

Colômbia

De volta aos Jogos Olímpicos pela primeira vez desde Barcelona 1992, a Colômbia é outra seleção que retorna ao Brasil com boas recordações depois de alcançar a melhor campanha de sua história na Copa do Mundo de 2014, quando ficou em quinto lugar. A estrela do elenco liderado pelo técnico Carlos Alberto Restrepo é o artilheiro Teo Gutierrez, que defende o Sporting, de Portugal, e esteve no grupo do último Mundial. O atacante Miguel Borja, de 23 anos, chega ao torneio Olímpico com moral depois de marcar o gol que deu o título da Taça Libertadores da América do Atlético Nacional, no fim de julho.
Teo Gutierrez é o mais experiente do elenco colombiano no Rio 2016 (Foto: Getty Images/Gabriel Rossi)

República da Coreia

República da Coreia subiu de patamar no torneio Olímpico em Londres 2012, quando conquistou sua primeira medalha nos Jogos, de bronze. O time do técnico Shin Taeyong chega reforçado aos Jogos Rio 2016 e conta com quatro jogadores que atuam no futebol europeu em seu elenco, entre eles os atacantes Son Heungmin, do Tottenham, da Inglaterra, e Suk Hyunjun, do Porto, de Portugal.
“Sei que é muito difícil repetirmos a glória de quatro anos atrás, mas nossa meta é uma medalha no Rio e nos preparamos para isso”, disse o meia Kwon Changhoon.
Son Heungmin atua no Tottenham, da Inglaterra (Foto: Getty Images/Chung Sung-Jun)

Nigéria

Primeira seleção africana a ganhar o ouro nos Jogos, em Atlanta 1996, quando superou o Brasil na semifinal, a Nigéria espera voltar a brilhar no cenário Olímpico 20 anos depois. O time, que também foi à final em Pequim 2008, aposta na força física e na velocidade de seus jogadores para surpreender os favoritos. A referência do time dirigido pelo técnico Samson Siasia é o experiente volante John Obi Mikel, de 29 anos. Capitão da seleção principal, o meio-campista está há uma década no Chelsea, da Inglaterra, onde venceu a Liga dos Campeões da Europa e o Campeonato Inglês.
Obi Mikel é jogador do Chelsea, da Inglaterra, há uma década (Foto: Getty Images/Clive Mason)


Presidente da CBAt visita atletas que treinam em São Caetano do Sul

03|08|2016 - 15:42 | Da Assessoria de Imprensa da CBAt/Jogos Olímpicos do Rio 2016



Presidente da CBAt visita atletas que treinam em São Caetano (Divulgação)

Rio de Janeiro - O presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, esteve nesta quarta-feira (dia 3) no Centro de Treinamento da BM&FBovespa, em São Caetano do Sul (SP). Toninho Fernandes foi visitar o grupo de atletas da Seleção Olímpica que treina no local e conversou com o grupo e também com os treinadores.

Além da campeã mundial do salto com vara, Fabiana Murer, treinam na cidade Augusto Dutra (salto com vara), Julio Cesar de Oliveira (lançamento dardo), Jailma Sales de Lima (400 m, 4x400 m), Fernanda Borges (lançamento do disco) e Luiz Alberto de Araújo (decatlo).

Além da equipe multidisciplinar de apoio, acompanham os atletas os treinadores Elson Miranda, José Antonio Rabaça, João Paulo Alves da Cunha e Edemar Santos. Junto com o coordenador da BM&F, Ricardo Diegues, Toninho desejou boa Olimpíada a todos.

"Estive no Rio de Janeiro, com os atletas que treinam no Centro da Aeronáutica, e hoje vim conversar com os que estão trabalhando em São Caetano e que vão mais tarde para o Rio", explicou o presidente da CBAt.

Os 11 momentos mais difíceis para o Brasil nas Olimpíadas

Mais uma da série de listinhas pré Jogos Olímpicos

Por Christina Volpe | 03/08/2016 - Atualizada às 19:13

A vida só é dura para quem é mole, não é mesmo? E para os atletas brasileiros que participaram dos Jogos Olímpicos isso é fato, muitas vezes favoritos a medalhas um pequeno ou grande deslize chama mais atenção do que uma vitória em si.
Separamos 11 momentos tensos que aconteceram com nossos atletas nos Jogos Olímpicos. Relembre com a gente!
11 - Camarões Elimina Brasil nas Quartas, Sydney 2000
O futebol brasileiro mandou mal em Sidney e foi eliminado pela equipe de Camarões. O time de estrangeiro abriu o placar aos 16 minutos, com o meia Mboma cobrando falta. O Brasil empatou aos 48 minutos do segundo tempo, com Ronaldinho Gaúcho, também de falta.
O jogo foi para a prorrogação e o Brasil perdeu pelo menos quatro chances reais de vencer o jogo, e aos oito minutos do segundo tempo da prorrogação, Camarões, que estava com dois jogadores a menos, liquidou a partida com Modesto fazendo o gol de ouro, chutando de fora da área.
O Brasil foi eliminado mais uma vez e o sonho de conquistar o ouro olímpico foi novamente adiado.
10 - Jadel era favorito, Atenas 2004
O brasileiro chegou a Atenas 2004 com o segundo melhor salto da temporada e vice-campeão mundial indoor do salto triplo. Jadel estava confiante, pediu as palmas da torcida, mas sentiu a pressão e acabou com a modesta quinta colocação.
Foto: Divulgação facebookFoto: Divulgação facebook
9 - Vôlei feminino e a briga com as Cubanas, Atlanta, 1996
Depois de derrotar as arquirrivais cubanas na primeira fase por três sets a 0, as meninas de Bernardinho se perderam na grande final contra a mesma equipe. O time levou três sets a dois e protagonizou uma terrível briga no final da partida.
8 - Queda de Diego Hypólito, Pequim 2008
O ginasta Diego Hypólito chegou nas Olimpíadas de Pequim como o maior favorito a ganhar a medalha de ouro no solo, afinal nos últimos três campeonatos mundiais, ele havia conquistado o ouro em duas oportunidades, além de ter ganho uma medalha de prata.
Foto: Wilson Dias-Abr/WikipediaFoto: Wilson Dias-Abr/Wikipedia
Todos esperavam que ele levasse a primeira medalha brasileira na ginástica. E as eliminatórias confirmaram o favoritismo do brasileiro, se classificando para a final com a melhor nota. No dia da decisão Diego sofreu uma queda no último exercício, terminando apenas na sexta posição.
7 - Geração do Penta perde da Nigéria na semi, Atlanta 1996
De volta aos Jogos Olímpicos depois de oito anos, a seleção brasileira protagonizou algumas trapalhadas na semifinal contra a Nigéria. Começou bem abrindo 3 a 1, mas o time sofreu o empate nos acréscimos e levou o gol de ouro no início da prorrogação.
6 - Guga eliminado na primeira fase, Atenas 2004
Principal tenista brasileiro, Gustavo Kuerten brigou literalmente para participar dos Jogos Olímpicos. Tanto fez que caiu na estreia de Atenas 2004. Guga perdeu para o chileno Nicolás Massú, que consagrou-se campeão do torneio
Foto: Divulgação Facebook/Kate Whitney LuceyFoto: Divulgação Facebook/Kate Whitney Lucey
5 - Cesar Cielo era favorito em Londres, 2012
O famoso nadador era uma das maiores esperanças para o ouro brasileiro em Londres, na época Cielo detentor do recorde olímpico e mundial foi derrotado pelo francês Florent Manaudou, que arrancou na chegada e surpreendeu. No final o brasileiro terminou com a medalha de bronze na prova dos 50m livre.
Foto: nicholasbittencourt/flickrFoto: nicholasbittencourt/flickr
4- Virada Histórica no vôlei Feminino, Atenas 2004
O time feminino de vôlei chegou a Atenas apontada por todos como favorita a medalhas, só que a seleção que era a atual campeã do Grand Prix, decepcionou e protagonizou na semifinal contra as arqui-rivais russas, uma das maiores viradas da historia olímpica.
O inacreditável aconteceu no quarto set, quando a seleção vencendo por 24 a 19, e próxima de chegar a sua primeira final olímpica da história desperdiçou seis match points, isso mesmo seis! As russas fecharam o set em 28 a 26.
No tie-break, as brasileiras tiveram a bola do jogo na mão novamente quando o jogo estava 14 a 13, mais no final foram as rivais que fecharam o jogo em 16 a 14, após Mari mandar a bola pra fora.
Uma tristeza!
3 - Fabiana Murer e a vara perdida, Pequim 2008
A atleta chegou a Pequim com chances de conquistar uma medalha, tinha feito um bom campeonato mundial um ano antes (6ª) e tinha conquistado a medalha de ouro e batido o recorde Pan-americano, nos jogos Pan-Americano do Rio 2007. Mas, misteriosamente uma das suas varas usadas para determinada altura sumiu da sua bolsa e ela terminou na melancólica 10ª posição.
Foto: Divulgação FacebookFoto: Divulgação Facebook
2 - Queda da Daiane dos Santos, Atenas 2004
Considerada joia brasileira que nomeou até mesmo um salto, Daiane acabou decepcionando os público brasileiro ao falhar em sua apresentação A atleta sofreu uma queda durante a apresentação que frustrou suas expectativas. Mesmo assim, a ex-ginasta conquistou o quinto lugar nos Jogos.
Foto: WikipediaCommonsFoto: WikipediaCommons
1 - Vanderlei e o Irlandês, Atenas 2004
Vai ser difícil alguém superar o triste momento sofrido por Vanderlei Cordeiro de Lima, o atleta liderava a maratona quando foi empurrado por um padre com uma fantasia de irlandês.
Foto: WikipediaCommonsFoto: WikipediaCommons
A questão é que o corredor ficou mais famoso do que o vencedor da maratona e com esse acontecimento ele recebeu a medalha Pierre de Coubertin, concedida pelo COI para atletas que valorizam a competição olímpica mais do que a vitória e que é considerada uma honra elevadíssima atribuída pela entidade.

Fonte: http://www.webrun.com.br/

Os 11 momentos mais difíceis para o Brasil nas Olimpíadas

Mais uma da série de listinhas pré Jogos Olímpicos

A vida só é dura para quem é mole, não é mesmo? E para os atletas brasileiros que participaram dos Jogos Olímpicos isso é fato, muitas vezes favoritos a medalhas um pequeno ou grande deslize chama mais atenção do que uma vitória em si.
Separamos 11 momentos tensos que aconteceram com nossos atletas nos Jogos Olímpicos. Relembre com a gente!
11 - Camarões Elimina Brasil nas Quartas, Sydney 2000
O futebol brasileiro mandou mal em Sidney e foi eliminado pela equipe de Camarões. O time de estrangeiro abriu o placar aos 16 minutos, com o meia Mboma cobrando falta. O Brasil empatou aos 48 minutos do segundo tempo, com Ronaldinho Gaúcho, também de falta.
O jogo foi para a prorrogação e o Brasil perdeu pelo menos quatro chances reais de vencer o jogo, e aos oito minutos do segundo tempo da prorrogação, Camarões, que estava com dois jogadores a menos, liquidou a partida com Modesto fazendo o gol de ouro, chutando de fora da área.
O Brasil foi eliminado mais uma vez e o sonho de conquistar o ouro olímpico foi novamente adiado.
10 - Jadel era favorito, Atenas 2004
O brasileiro chegou a Atenas 2004 com o segundo melhor salto da temporada e vice-campeão mundial indoor do salto triplo. Jadel estava confiante, pediu as palmas da torcida, mas sentiu a pressão e acabou com a modesta quinta colocação.
Foto: Divulgação facebookFoto: Divulgação facebook
9 - Vôlei feminino e a briga com as Cubanas, Atlanta, 1996
Depois de derrotar as arquirrivais cubanas na primeira fase por três sets a 0, as meninas de Bernardinho se perderam na grande final contra a mesma equipe. O time levou três sets a dois e protagonizou uma terrível briga no final da partida.
8 - Queda de Diego Hypólito, Pequim 2008
O ginasta Diego Hypólito chegou nas Olimpíadas de Pequim como o maior favorito a ganhar a medalha de ouro no solo, afinal nos últimos três campeonatos mundiais, ele havia conquistado o ouro em duas oportunidades, além de ter ganho uma medalha de prata.
Foto: Wilson Dias-Abr/WikipediaFoto: Wilson Dias-Abr/Wikipedia
Todos esperavam que ele levasse a primeira medalha brasileira na ginástica. E as eliminatórias confirmaram o favoritismo do brasileiro, se classificando para a final com a melhor nota. No dia da decisão Diego sofreu uma queda no último exercício, terminando apenas na sexta posição.
7 - Geração do Penta perde da Nigéria na semi, Atlanta 1996
De volta aos Jogos Olímpicos depois de oito anos, a seleção brasileira protagonizou algumas trapalhadas na semifinal contra a Nigéria. Começou bem abrindo 3 a 1, mas o time sofreu o empate nos acréscimos e levou o gol de ouro no início da prorrogação.
6 - Guga eliminado na primeira fase, Atenas 2004
Principal tenista brasileiro, Gustavo Kuerten brigou literalmente para participar dos Jogos Olímpicos. Tanto fez que caiu na estreia de Atenas 2004. Guga perdeu para o chileno Nicolás Massú, que consagrou-se campeão do torneio
Foto: Divulgação Facebook/Kate Whitney LuceyFoto: Divulgação Facebook/Kate Whitney Lucey
5 - Cesar Cielo era favorito em Londres, 2012
O famoso nadador era uma das maiores esperanças para o ouro brasileiro em Londres, na época Cielo detentor do recorde olímpico e mundial foi derrotado pelo francês Florent Manaudou, que arrancou na chegada e surpreendeu. No final o brasileiro terminou com a medalha de bronze na prova dos 50m livre.
Foto: nicholasbittencourt/flickrFoto: nicholasbittencourt/flickr
4- Virada Histórica no vôlei Feminino, Atenas 2004
O time feminino de vôlei chegou a Atenas apontada por todos como favorita a medalhas, só que a seleção que era a atual campeã do Grand Prix, decepcionou e protagonizou na semifinal contra as arqui-rivais russas, uma das maiores viradas da historia olímpica.
O inacreditável aconteceu no quarto set, quando a seleção vencendo por 24 a 19, e próxima de chegar a sua primeira final olímpica da história desperdiçou seis match points, isso mesmo seis! As russas fecharam o set em 28 a 26.
No tie-break, as brasileiras tiveram a bola do jogo na mão novamente quando o jogo estava 14 a 13, mais no final foram as rivais que fecharam o jogo em 16 a 14, após Mari mandar a bola pra fora.
Uma tristeza!
3 - Fabiana Murer e a vara perdida, Pequim 2008
A atleta chegou a Pequim com chances de conquistar uma medalha, tinha feito um bom campeonato mundial um ano antes (6ª) e tinha conquistado a medalha de ouro e batido o recorde Pan-americano, nos jogos Pan-Americano do Rio 2007. Mas, misteriosamente uma das suas varas usadas para determinada altura sumiu da sua bolsa e ela terminou na melancólica 10ª posição.
Foto: Divulgação FacebookFoto: Divulgação Facebook
2 - Queda da Daiane dos Santos, Atenas 2004
Considerada joia brasileira que nomeou até mesmo um salto, Daiane acabou decepcionando o público brasileiro ao falhar em sua apresentação. A atleta sofreu uma queda durante a apresentação que frustrou suas expectativas. Mesmo assim, a ex-ginasta conquistou o quinto lugar nos Jogos.
Foto: WikipediaCommonsFoto: WikipediaCommons
1 - Vanderlei e o Irlandês, Atenas 2004
Vai ser difícil alguém superar o triste momento sofrido por Vanderlei Cordeiro de Lima, o atleta liderava a maratona quando foi empurrado por um padre com uma fantasia de irlandês.
Foto: WikipediaCommonsFoto: WikipediaCommons
A questão é que o corredor ficou mais famoso do que o vencedor da maratona e com esse acontecimento ele recebeu a medalha Pierre de Coubertin, concedida pelo COI para atletas que valorizam a competição olímpica mais do que a vitória e que é considerada uma honra elevadíssima atribuída pela entidade.